fbpx

Conheça os 5 benefícios de exercer a Medicina da Longevidade

Conheça os 5 benefícios de exercer a Medicina da Longevidade

É cada vez mais visível a busca da população por formas de tratamento mais eficazes e humanizadas, através de uma relação mais próxima com o médico, desconstruindo o conceito de que a consulta é um momento a ser “temido”.

Através desse modelo de Medicina, o olhar ao paciente está direcionado à descoberta das causas relacionadas aos problemas que enfrenta. 

A Medicina da Longevidade refere-se a forma de tratamento humanizado e integrado, reforçando a importância que a relação transparente entre o médico e o paciente representa.

Confira alguns benefícios de praticar a Medicina da Longevidade em seu cotidiano, promovendo assim, qualidade de vida e uma vida mais saudável e longínqua ao paciente.

1. Desenvolvimento de um plano de tratamento individualizado, baseado nas demandas e necessidades do paciente.

A medicina da longevidade é uma medicina preventiva personalizada, focada em biomarcadores relacionados ao envelhecimento e à longevidade saudável. 

O tratamento individualizado tem como objetivo otimizar os resultados com base nas características particulares de cada paciente.

Dessa forma, são avaliados hábitos, rotina, comportamentos, histórico de saúde, sintomas, queixas e também são requisitados exames específicos para cada paciente.

Tendo assim, um tratamento mais eficaz e direcionado especialmente para o que o paciente precisa, otimizando o atendimento e agradando o paciente. 

2. Construção de uma relação de parceria entre médico e paciente.

A duração das consultas diminuiu e a antiga conversa, baseada numa escuta atenta do profissional de saúde, foi substituída por pedidos de exames seguidos da prescrição de medicamentos. 

No entanto, informações importantes podem ter sido deixadas de lado e o engajamento ao tratamento fica comprometido se a pessoa não enxergar em seu médico a figura de um aliado que a conheça e entenda.

Através de um modelo de Medicina centrado no paciente, o profissional trabalha para conhecer e tratar o paciente de maneira integral, desenvolvendo planos de atendimento individualizados e abrangentes nos quais a saúde mental e as necessidades sociais também são consideradas na prescrição do atendimento. 

Além disso, com um atendimento constante e empático o paciente se sente mais confortável e próximo do médico.

3. ​O paciente torna-se agente no tratamento, tornando-se parte do processo.

É comum que nos esqueçamos de que o paciente também é um agente responsável pelo sucesso do seu tratamento. 

Com uma Medicina inclusiva, o paciente estará consciente de como o tratamento tem que ser feito e que boa parte dos resultados obtidos estão alinhados com as suas ações cotidianas. 

É imperativa a necessidade de compreensão de que o paciente também precisa fazer a sua parte. Somente assim bons resultados poderão ser colhidos em busca de uma longevidade mais saudável. 

4. ​Todas as abordagens terapêuticas, profissionais de saúde e disciplinas são consideradas, podendo integrar as medidas para a cura e prevenção das patologias.

Acreditamos em um modelo de Medicina onde a cura surge antes das patologias.

Sempre foi importante cuidarmos da saúde, mas cada vez mais percebemos que não é somente em momentos de doença que devemos buscar profissionais da saúde. O ideal é cuidar constantemente do corpo e da mente, para que a doença não venha a se manifestar. É com esse propósito que um novo modelo de Medicina vem surgindo.

Quanto mais cuidar o modo como se vive, o que se come, quanto se dorme ou se são feitos exercícios físicos, menos dificuldades se enfrentarão no futuro, vivendo uma longevidade saudável, já que o que mais acomete idosos é a perda de algumas funções cognitivas que, através de cuidados preventivos, podem ser poderiam ser amenizados ou até mesmo evitados. 

5. A saúde é vista de todos os ângulos: bem-estar físico, mental, emocional, social e espiritual.

A saúde como bem-estar e qualidade de vida pressupõe o equilíbrio e a harmonia entre os pilares mente-corpo-espírito.

Dessa forma, por mais que determinados preceitos devam fazer parte da atuação do médico, é necessário que outros caminhos e práticas também sejam adotados para contribuir com melhorias à qualidade de vida de maneira geral, não apenas na saúde física, mas também na estabilidade emocional.

Embora o objetivo principal da Medicina da Longevidade seja melhorar a qualidade de vida dos pacientes, os profissionais de saúde também se beneficiam, visto que cuidar da saúde do paciente de forma ampla e integral permite um acompanhamento integral e profundo do caso ajudando a entender as circunstâncias da doença na vida do indivíduo e dando a oportunidade ao profissional de exercer seu trabalho de maneira completa e eficaz. 

Para saber mais sobre a Medicina da Longevidade, siga acompanhando os nossos conteúdos.