fbpx

Um panorama sobre neurotransmissores e sua influência na qualidade de vida do ser humano

Um panorama sobre neurotransmissores e sua influência na qualidade de vida do ser humano

O humor pode dizer muito sobre a saúde do corpo.

Isso ocorre através do trabalho desempenhado pelos neurotransmissores, os mensageiros químicos conhecidos como “hormônios da felicidade”.

Dentre os mais conhecidos estão a serotonina, dopamina, ocitocina e endorfina, que desempenham um papel importante na fisiologia humana e na patologia.

Evidências científicas indicam que os neurotransmissores possuem um papel fisiológico importante em várias doenças digestivas, atuando como ligantes em combinação com receptores para transmitir os sinais responsáveis pela regulação dos processos fisiológicos e patológicos dos órgãos do trato digestivo. 

Por isso, é possível afirmar a influência direta que os neurotransmissores possuem sobre a qualidade de vida de um ser humano.

Continue a leitura e compreenda mais sobre a temática.

Afinal, o que são os neurotransmissores e qual o seu papel?

Os neurotransmissores são os mensageiros químicos do corpo.

Seu principal trabalho é transmitir sinais de células nervosas para células-alvo, que podem ser encontradas em músculos, glândulas e outros nervos.

Eles estão presentes no sistema nervoso e possuem papel fundamental para o desenvolvimento humano, funções corporais e qualidade de vida, de acordo com a ciência.

Afinal, qual o seu papel para a promoção da qualidade de vida?

Sabemos que o sistema nervoso é responsável por controlar os órgãos do corpo humano, desempenhando funções cruciais para ele.

Essa transmissão de mensagens, enviada pelos neurotransmissores, se anexa a receptores específicos em células-alvo, onde são desencadeadas suas determinadas funções.

A partir dessa entrega de mensagem, é como receber uma entrega pelo correio: você a desembala e usa!

Assim funciona o trabalho dos neurotransmissores no corpo humano.

De acordo com a ciência, existem mais de 100 neurotransmissores até o momento, considerando que novas descobertas ocorrem diariamente.

Além disso, dentre os diferentes tipos existentes, eles também possuem diferentes tipos de ações e funções. 

Confira algumas:

  • Neurotransmissores excitatórios encorajam uma célula alvo a agir.
  • Neurotransmissores inibidores diminuem as chances da célula alvo agir, podendo promover um efeito relaxante.
  • Neurotransmissores moduladores podem enviar mensagens para muitos neurônios ao mesmo tempo, comunicando-se com outros neurotransmissores.

Ainda, alguns neurotransmissores podem realizar várias funções dependendo do tipo de receptor a que se conectam.

Dessa maneira, é possível compreender um pouco mais sobre a sua relação com a qualidade de vida do ser humano, afinal, os neurotransmissores são responsáveis por agitar ou relaxar um indivíduo, por exemplo.

Compreenda como os neurotransmissores influenciam a saúde do ser humano

Como foi possível compreender, existem diversos tipos de neurotransmissores descobertos pela ciência.

O número ultrapassa 100!

Neste sentido, promover o conhecimento do indivíduo a respeito da importância de tais hormônios é essencial não somente para a manutenção do seu humor, mas também para promover a saúde intestinal e, consequentemente, de todas as funções que dela dependem.

Afinal, nossas emoções estão interligadas com a maneira com a qual dormimos, nos movimentamos, nos alimentamos e diversas outras ações cotidianas essenciais para o ser humano.

Conheça alguns hormônios importantes e essenciais para se sentir bem e, mais importante, saudável.

DOPAMINA

A Dopamina é um importante neurotransmissor durante ações como: manutenção da memória, processos de aprendizagem, controle de movimentos e até mesmo a regulação do fluxo sanguíneo.

Tal neurotransmissor é conhecido comumente como uma sensação de prazer, auxiliando no relaxamento do corpo e promovendo a sensação de bem-estar.

Estudos inclusive, indicam que existem ligações entre a deficiência de dopamina e patologias crônicas, como a doença de Parkinson.

Além disso, a sua ativação no corpo pode ser utilizada como uma forma de tratamento para aliviar os sintomas da doença e também, para distúrbios como a depressão, ansiedade, transtorno bipolar e outras condições.

Exercitar-se regularmente pode aumentar normalmente os níveis de dopamina no organismo.

SEROTONINA

Serotonina é um neurotransmissor considerado inibidor.

Ou seja, a sua ativação ajuda a regular o humor, o comportamento, o sono e a memória.

Evidências científicas sugerem que a exposição à luz solar pode ajudar a aumentar os níveis de serotonina, essenciais para a promoção de bem-estar, mas também de outras funções importantes como: depressão, ansiedade, enxaquecas, transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) e transtorno obsessivo-compulsivo (TOC).

Ela também pode ser ativada quando o indivíduo se encontra em uma situação prazerosa, que promove sensações positivas para o seu corpo.

ENDORFINA

Que o exercício físico é um dos principais desencadeadores para a liberação dos hormônios do bem-estar ou endorfina, nós sabemos.

Contudo, a intensidade e a frequência da atividade são pontos fundamentais para a liberação suficiente do hormônio.

Pesquisas sugerem que, adultos que se envolvem em atividade física intensa e constante podem experimentar um aumento significativo na liberação de endorfina, quando comparados aos que praticam, durante o mesmo tempo, um exercício menos exigente.

Segundo os cientistas, adultos devem se envolver em pelo menos 150 minutos de atividade aeróbica de intensidade moderada ou 75 minutos de atividade aeróbica de intensidade vigorosa toda semana, com o objetivo obter uma saúde física de qualidade.

Além disso, os benefícios obtidos com o exercício não são apenas físicos, podendo contribuir para o humor, alívio da ansiedade e outros distúrbios relacionados a esse âmbito.

O que significa ter saúde e qualidade de vida?

Do que você precisa para se sentir bem e saudável?

Muitas vezes nos focamos em sintomas ou fatores relacionados apenas à saúde física – o que não está errado e nem tampouco é irrelevante.

Contudo, é preciso compreendermos a força e influência que outros fatores, relacionados aos nossos sentimentos e relações, possuem sobre a nossa saúde.

Nesse sentido, cabe esclarecer o papel que hormônios como a dopamina, serotonina e endorfina possuem sobre a nossa qualidade de vida.

Os chamados de “hormônios do prazer”, são substâncias químicas produzidas pelo cérebro, essenciais para o desempenho de funções físicas e psicológicas, além de estarem relacionados às sensações de motivação, alegria, euforia e ao bem-estar geral – o que pode promover melhorias e até mesmo ações preventivas para a saúde do indivíduo.